GodCabecalho

Assistir ao trailer do novo God of War me deixou cheio de saudades

E logo eu, que não gosto de jogos que se jogam sozinhos, sou um grande fã de God of War. Tá, tá bom, talvez grande fã seja exagero, mas que lembro da franquia com uma saudade imensa, isso sim.

De volta à época em que o recém lançado Playstation 3 ainda era um sonho distante pra maioria das crianças, ainda mais as rondonienses, a alegria da molecada era feita com o glorioso Playstation 2 e seus incontáveis jogos vendidos em camelôs por preço de banana.

A nostalgia me consome quando lembro que eu e meus primos reuníamos aos sábados algumas notas de dois reais e descíamos as ruas pra comprar jogos. Cinco reais cada um, três por dez. Acho que é por isso que não tenho um pingo de interesse de pagar mais de cem reais por um jogo das gerações atuais, me parece completamente absurdo.

20160620_145637.jpg

De novo essa foto, só pra mostrar que ainda tenho as capas dos jogos piratas que comprava no camelô. Três por R$ 10 – época de ouro da humanidade.

De qualquer forma, comprávamos sempre os jogos de coisas que já conhecíamos por outros meios, como Dragon Ball e Naruto, ou jogos que já havíamos jogado em outros lugares, como Need For Speed, ou jogos com capas que pareciam interessantes. Numa dessas a gente descobriu God of War.

Quando começamos a jogar, logo de cara ficamos espantados com a parte visual e o clima que o jogo trazia. Lembro do jogo começar já com uma pancadaria num navio destroçado em alto mar, com toda uma atmosfera tempestuosa. Quer dizer, vendo os gráficos hoje nem parece tudo isso, mas à época a gente nem conseguia imaginar como a coisa toda poderia ser visualmente melhor.

Viciamos rapidão. Zeramos mais de uma vez. Rapidão.

Particularmente, acabei ficando enjoado com a jogabilidade de ter que passar o jogo inteiro apertando a mesma tecla e vendo o personagem fazer tudo sozinho, mas me divertia muito com o jogo principalmente por causa da história.

Cara, que mundinho bem estruturado. Os plots, as soluções, a apresentação dos personagens… demais. Não bastasse o jogo me soar tão interessante, ainda apareceu nas bancas o Gof of War 2, que não decepcionou por ter a mesma pegada só que com acontecimentos bem mais grandiosos no roteiro. E o 3, então? Levou a coisa toda pra outro nível, até os titãs apareceram brigando enquanto eu ficava completamente perplexo com a foderocidade do universo criado pelo game.

Eis que estou eu vagando pela internet essa semana quando PLAU, me aparece esse trailer:

Olha esse Kratos, se não é um SENHOR personagem.

O universo do jogo é tão sensacional que fez com que eu não me interessasse em joga-lo, mas em aprecia-lo. E é essa minha expectativa pro que foi apresentado no trailer: que se dane a jogabilidade, quero me imergir no mundo de Kratos e ver algo grandioso mais uma vez. Boto fé, hein.

Como palavras não descrevem a nostalgia que esse vídeo me causou, só posso terminar esse post com uma imagem:


selolagrimasmasculinas